8 Razões pelas quais a Nutrição pode ser Confusa e O que Fazer para Simplificar

Não tem como negar que algumas vezes a ciência da nutrição nos deixa meio confusos. Dependendo do ponto de vista, ela pode parecer uma bagunça. Porém, quando vista de outra forma, ilustra a natureza dos processos científicos se atualizando ao longo do tempo.

Vamos entender porque a ciência da nutrição pode parecer confusa algumas vezes. Vamos ver também o porquê disso acontecer.

E o mais importante que é como fazer para não ser iludido por algumas pesquisas e qual a melhor maneira de analisá-las e agir para ter uma vida mais saudável.

Nesse artigo você vai ver:

  • Perspectivas da Ciência da Nutrição
  • 8 Razões pelas quais a Nutrição pode ser Confusa e O que Fazer para Simplificar

Perspectivas da Ciência da Nutrição

ciencia da nutrição

Quantas vezes você já não viu algo como:

“Estudo aponta que o ovo não faz bem a saúde”

E um tempo depois:

Ovo é considerado um dos alimentos mais saudáveis do planeta

Por que isso acontece?

Isso acontece graças a uma série de razões que vou mostrar.

8 Razões pelas quais a Nutrição pode ser Confusa e O que Fazer para Simplificar


ciencia-da-nutricao

#1 – Atualização Frequente dos Estudos

Ciência se atualiza frequentemente e por isso uma coisa que antes pensávamos que não era boa para nossa saúde pode acabar se tornando uma excelente opção para seu cardápio. Assim como o ovo, gordura saturada

#2 – Muito investimento para o Tratamento de Doenças e Pouco para a Nutrição Preventiva

Atualmente, tem sido investido muito mais dinheiro em pesquisas para o tratamento de doenças do que para a nutrição preventiva que evita o acontecimento dessas doenças. 

Esse é um dado importante para nos ajudar a entender porque ainda não temos tantas informações precisas sobre alumas áreas da ciência da nutrição.

#3 – Nutrição é uma ciência nova

Os macronutrientes (gorduras, carboidratos e proteínas), por exemplo, só foram descobertos depois do ano de 1800. As vitaminas (micronutrientes) não tinham sido descobertas até 1900.

Foi só nos últimos 20 anos que começamos a realizar estudos para verificar novos problemas e novos alimentos como os efeitos dos alimentos ultraprocessados no nosso organismo, por exemplo.

E o início de toda pesquisa começa confuso, frustrante e pobre de informações precisas. Até que vários estudos sejam concretizados. Por isso, as pesquisas recentes precisam de um tempo para amadurecer.

#4 – Dificuldade de Interpretação dos Estudos

Existe uma certa dificuldade da mídia no anúncio dos resultados de estudos. Muitas vezes, eles não entendem como foi realizada uma pesquisa e espalham os resultados de maneira incompleta ou errada para a população.

Essa análise precipitada pode gerar conclusões erradas na população.

Um exemplo clássico disso, que que já citei nesse artigo, é o mito da gordura saturada. Esse mito durou muitos anos e demorou para ser desvendado por especialistas.  

A origem do mito que a gordura saturada aumenta os riscos das doenças do coração começou nos anos 50 com o cientista Ancel Keys. Ele realizou uma pesquisa grande, mas só publicou o resultado que mais lhe interessava para provar que sua teoria estava certa. Essa teoria apontava que a gordura saturada era responsável pelos problemas cardíacos. Esse é apenas um exemplo, você pode ver outros nesse artigo.

#5 – Os Resultados da Pesquisa Devem ser Analisados com Cuidado

Os resultados dos estudos pode variar muito dependendo das partes interessadas. Por exemplo, em um estudo com investimento da indústria alimentícia sobre os efeitos das bebidas açucaradas no ganho de peso, o resultado foi um.

Já na análise feita sem financiamento com conflito de interesses como a anterior, o resultado da pesquisa foi completamente diferente e até contrário.

#6 – Boa Parte dos Estudos da Nutrição são Observacionais

ciencia-da-nutricao-pesquisa

“Uma ciência observacional é uma ciência na qual não é possível construir experimentos controlados na área em estudo.”

Fonte: wikipedia

Esses estudos apresentam questionários subjetivos sobre o estilo de vida e os hábitos alimentares das pessoas. Algumas consequências disso são:

  • Somos ruins em lembrar o que e quanto comemos
  • Não são levadas em conta todas as variáveis

Por exemplo, será que a carne vermelha causa doenças cardiovasculares e câncer ou as pessoas que tem essas doenças acabam comendo mais carne vermelha?

É muito difícil responder essa pergunta em um estudo observacional, já que ele não identifica e testa todas as possíveis variáveis. Isso faz com que os resultados das pesquisas não sejam tão precisos e confiáveis.

#7 – Variáveis confusas dificultam a comprovação dos efeitos dos alimentos

Dificilmente uma pesquisa consegue isolar os efeitos do alimento para um único fator, por mais controlada que ela seja.

Com isso, os outros fatores que na maioria das vezes não são levados em conta na pesquisa, acabam prejudicando um resultados melhor.

#8 – Você não pode Aplicar o Resultado de Todos os Estudos a Você (cada caso é um caso)

Esse ponto é muito importante. Tanto que cito ele nesse artigo que explico por que uma dieta pode funcionar para um e para outro não.

Os estudos são realizados com diferentes tipos de pessoas, que passaram por experiências alimentares diferentes, reagiram de maneiras diferentes por motivos distintos. Muitas vezes até a idade e sexo da pessoa são diferentes, o que dificulta ainda mais.

Por esses motivos, você precisa tomar cuidado ao analisar o resultado de uma pesquisa, principalmente se ela for observacional, como citamos anteriormente.

Por isso que aqui no Ingerindo Saúde sempre indicamos que a melhor opção para você melhorar a sua saúde é procurar um profissional, realizar exames para analisar o seu caso e traçar o melhor plano para você. Verificar se você tem deficiências nutricionais, intolerâncias, alergias e ainda considerar seus gostos alimentares.

Essa é a melhor forma de desenvolver um plano de melhora no seu estilo de vida aplicado a você e a mais ninguém. Tenho certeza que esse plano personalizado vai te deixar muito melhor e te trazer resultados incríveis.

É claro que existem algumas instruções básicas que você já pode começar a seguir para melhorar e que não precisam ser tão específicas assim. Comer menos alimentos ultraprocessados, mais alimentos naturais, fazer refeições coloridas, tomar água regularmente. Porém, para melhorar ainda mais você precisa seguir os passos citados anteriormente.

Ficou com alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo!

Espero que você tenha gostado 🙂

[crédito das imagens: pixabay, unsplash]